top of page

TiliT News - Edição 011



TiliT Offices - Sala Vip The One
O Homem é um ser Social

Escrito por: Adriano Gilberti

CEO Transcender Studios

@transcenderstudios



Segundo Aristóteles, filósofo grego discípulo de Platão, “O homem é um ser social”, pois é de sua natureza viver em sociedade e, ao buscar a felicidade, ele só a encontra na convivência entre os seus.


E de fato, o peso dessas palavras ditas a quase dois mil e quinhentos anos, carrega a verdade inconteste que o ser humano busca a todo instante novas formas de se comunicar e interagir no meio em que está inserido.


Apreciamos a mimeses de nossas ações cotidianas e gostamos de ver o reflexo de nós mesmos em obras de arte, fotografias e dramatizações que traduzem muito do que somos e o que queremos dizer.


Para tanto, uma das primeiras manifestações do ser social e estético, foram as pinturas rupestres. Alguns milênios depois, aperfeiçoados em nossa estrutura social, refletimos através do teatro nossas vontades, significados e significantes do que éramos e o que desejávamos.


Mas o ser humano nunca parou sua escalada evolutiva por novas formas de se expressar e se comunicar. Cada século, cada milênio, aperfeiçoávamos nossas técnicas de interação com o outro. Afinal, segundo o saudoso jornalista mineiro Alcione Araújo “quem não deseja o parlare, o parlamentare substitui a linguagem usual pela truculência”.


Ou seja, precisamos a todo instante construir, elaborar e traduzir nossos pensamentos, palavras e ações através de códigos e símbolos que sejam acessíveis ao outro. Desta forma, quanto mais ferramentas dispomos, mais possibilidades de acessar os símbolos do nosso ouvinte ou interlocutor.


Obviamente a tecnologia em sua versão mais contemporânea multiplicou as possibilidades de nossos processos de comunicação. Livros, rádio, televisão, computador, telefones, internet, celulares, relógios inteligentes. Contudo, nenhum deles consegue a profundidade em interação humana como a gameficação dos meios de comunicação.


Esta revolução comunicacional na humanidade tem um personagem pouco comentado: Ralph Baer (o criador do Telejogo). Em 1969 este jogo consistia em duas barras laterais que pretendiam manter um ponto dentro da tela. Logo depois, este princípio de interatividade foi aperfeiçoado por Nolan Bushnell criador do “Pong”.


Deste momento em diante estamos falando da criação da icônica Atari. A partir dos anos de 1980, as próximas gerações eram educadas numa forma mais interativa de se comunicar.

Cada vez mais, a indústria dos games foi aprofundando essa relação de interação com seus usuários. As histórias não apenas transmitiam a narrativa, símbolos e transcrição cultural de um ponto A para o ponto B. Agora, o “ponto B” poderia tomar suas decisões para onde a história seguiria.


Por fim, chegamos a um nível de possibilidades interativas humanas que poderia ser facilmente explorada numa ficção de Júlio Verne, mas que agora vivemos como um simples cotidiano.


O desenvolvimento de games em Realidade Virtual e Aumentada, avançou esses conceitos e agora, além de uma interação profunda, as fronteiras foram rompidas. Estar com alguém a 2 mil quilômetros de distância é o mesmo que estar do seu lado. Os jogos ficaram mais imersivos, intensos e as histórias deram para o usuário o status de protagonista de uma forma nunca vista antes.


Nossa natureza humana sempre deseja o infinito e seguiremos neste sentido da interação constante. Apesar disso, não podemos negligenciar o receio do distanciamento humano real.


Existe! Estamos aqui nos amontoando entre megalópoles cheias e tão diversas. Entretanto, a escalada tecnologia do homem simbólico é irrefreável. Devemos compreender que se estas interações tecnológicas são consequência de um fluxo natural de aprendizado, ao mesmo tempo precisamos refletir como essa grande quantidade de ferramentas de comunicação podem conviver de forma equilibrada e harmônica com nosso eu tátil, físico e emocional.


Desta forma, como qualquer nova descoberta, usada para o bem ou para o mal, o ser humano deverá encontrar caminhos de convivência pacífica com a virtualidade e a realidade crua, entendendo que, independente de tecnologia, a descoberta de nosso “eu existente” precisa estar em consonância com objetivos mais profundos e verdadeiros nos projetos que estabelecemos em nossas vidas. Projetos para o bem, para o crescimento e melhoria da sociedade.


Que as missões traçadas para nossas vidas, utilizando ferramentas mais tecnológicas ou, na pura interação com a natureza, possa trazer um algo a mais em amor, paz, boa convivência e prática no bem.

 
 

Educação do Caráter e Bons Hábitos com Nossos Filhos
Escrito por: Perky Ibarra

Fundador e Diretor do Instituto Champrett


Educar o caráter significa agir de forma intencional para transmitir bons valores humanos.


Sabe-se que o que mais forma o caráter de crianças e de jovens é o exemplo concreto de conduta dos adultos que cuidam e convivem com eles no dia a dia, principalmente os pais. A prática conta muito mais do que somente palavras.


Nesse sentido, deixamos aqui um convite para todos os pais: que tal adotar algumas ações simples para ajudar a formar bons hábitos nos seus filhos? Os pais que conseguirem realizar com frequência e consistência as ações a seguir diante dos seus filhos estarão contribuindo muito para formar esses hábitos neles:


  1. Tenha metas e trate de realizá-las. Envolva seus filhos onde for possível. Comemore em família quando conseguirem. Isso transmite a importância de sonhar, do esforço, da determinação e também une mais a família;

  2. Exercite-se com frequência, alimente-se bem, da forma mais saudável possível, sem excessos com comidas ou bebidas, e beba água regularmente. Eis algo que poderá contribuir muito com a sua saúde e de toda a sua família por toda a vida;

  3. Planeje bem seus compromissos, procure se preparar com antecedência e seja pontual. Isso desenvolve em seus filhos as habilidades de organização, a valorização do tempo de todos os envolvidos, e os valores de respeito, responsabilidade, consideração pelos outros e de honrar o que disse que faria e no momento certo;

  4. Desenvolva desde cedo em seus filhos o valor do trabalho e a importância de poupar. Permita que seus filhos ganhem alguns trocados realizando tarefas extras (não remunere tarefas que são deveres) e ajude-os a pouparem para que consigam algo que desejem com seus próprios méritos;

  5. Participe em atividades voluntárias: é uma experiência maravilhosa e tocante quando os filhos participam junto com seus pais em atividades voluntárias de auxílio a necessitados. Isso desenvolve altruísmo, gentileza, gratidão, respeito, responsabilidade, bondade, compaixão e solidariedade;

  6. Tempo: tenha a disciplina de dedicar um tempo exclusivo para os seus filhos. Não é a quantidade de tempo que mais importa, mas sim a qualidade desse tempo. Durante esses momentos, coloque o celular no silencioso e foque toda a sua atenção em seus filhos. Um dia será a vez deles darem essa mesma atenção a você;

  7. Reconheça seus erros: se errar peça desculpas imediatamente, diga que errou e se ofereça para ajudar a reparar o dano. Quando os filhos percebem que os pais fazem isso, entendem que ninguém é perfeito, que todos podem errar, e entendem que eles podem ter uma boa atitude natural e tranquila sobre isso;

  8. Leia bons livros: estudos já demonstraram que crianças que veem seus pais lendo tendem a ser leitoras também. Melhor ainda: leia para seus filhos. Está comprovado que isso desenvolve nas crianças o gosto pela leitura e o bom desempenho nisso, desenvolve a imaginação e a curiosidade, transmite carinho, bons valores, cultura e conhecimentos, e ajuda a formar o interesse por sempre aprender;

  9. Aprenda a ter autocontrole: se os filhos testemunham o descontrole dos pais, gritos, raiva ou qualquer forma de violência, eles tenderão a fazer o mesmo. Manter a calma e o equilíbrio diante de situações difíceis é uma importante habilidade.

Lembre: você pode dar um bom exemplo a todo instante e o exemplo do que realmente fazemos é o que conta mais. Isso também vale no ambiente de trabalho.


Boas ações repetidas várias vezes podem se transformar em bons hábitos. Bons hábitos podem ajudar a formar um bom caráter.


 

COMUNIDADE
CLIENTES TILIT GROUP

A cada edição deste boletim informativo apresentamos algumas empresas da comunidade de clientes TiliT que permitirem previamente essa divulgação.

A intenção é que cada leitor possa saber quem são os clientes da TiliT e o que fazem.

A seguir:



O Instituto Champrett é uma associação privada sem fins lucrativos que tem como missão desenvolver a educação do caráter - metodologia científica e laica para desenvolver valores humanos e competências socioemocionais nas pessoas.

É uma iniciativa de formação continuada que pode ser implementada em escolas e em empresa em geral.

Mais informações em: www.institutochamprett.org.br




Fundada em 2001, a HUSSEIN é uma das mais tradicionais empresas da área de Mobilidade Internacional atuantes no Brasil, tendo ampliado seus horizontes na última década, tornando-se um importante player regional, com forte atuação em países latino-americanos e detentora da marca internacionalmente conhecida como HKS.

As principais áreas de atuação da Hussein em Mobilidade Internacional são: imigração, relocation e assessoria tributária para expatriados.



A HCI é uma partnership especializada em assessoria de investimentos e soluções financeiras para nossos clientes e empresas. Atendemos clientes em todo mundo e estamos localizados nas principais cidades do país.

Contamos com uma área de Planejamento Patrimonial, com assessores aptos a darem todo o suporte no desenvolvimento do seu patrimônio, auxiliando na definição de metas de crescimento, na proteção e análise dos riscos provenientes das oscilações do mercado e na perpetuação dos bens acumulados, garantindo assim o seu legado para as próximas gerações.



 
Boas práticas relacionadas à Educação do Caráter vivenciadas na TiliT Group no mês de Agosto
Comemoração Dia do Coworking - 09-Agosto-2023

Para comemorar o Dia do Coworking a TiliT preparou uma semana diferente para todos os clientes presentes.


Foi uma semana com vários mimos, oferecendo brigadeiros, suspiros e um delicioso café da manhã com pão de queijo, bolos e sucos.




Cada dia foi diferente e realizamos também uma palestra sobre Saúde Mental.

No último dia (sexta-feira) fechamos com um Happy Hour, com salgadinhos, cervejas, Redbull e até karaokê para finalizar a noite.


Toda a equipe TiliT ajudou e organizar esse dia especial e todos gostaram muito.


Valores trabalhados:

  • Gratidão

  • Reconhecimento

  • Responsabilidade

  • Trabalho em equipe


Competências socioemocionais envolvidas:

  • Decisões responsáveis

  • Habilidades de Relacionamento


 

Commentaires


bottom of page